Main menu

CABAS: Curso de sobrevivência na selva para militares da Força Aérea Brasileira

IMG_2174

“No pernoite isolado, podemos experimentar a sensação de uma situação de sobrevivência…”

Em 2009, uma aeronave C-98 Caravan saiu de Cruzeiro do Sul (Acre) em direção à Tabatinga (Amazonas). Durante o percurso, houve uma falha no motor. Após executar os procedimentos de emergência, o piloto conseguiu planar e pousar no Rio Ituí; localizado na região. Os sobreviventes saíram pela porta traseira da aeronave e nadaram até a margem do rio. O pior parecia ter passado, mas o próximo desafio ainda estava por vir: sobreviver na floresta até o resgate chegar.

O Esquadrão Pantera na Copa do Mundo de 2014

blackEntre as atribuições da Força Aérea Brasileira  está a manutenção da soberania nacional por meio da defesa do espaço aéreo brasileiro. Para cumprir essas missões, a FAB dispõe de esquadrões aéreos, que trabalham 24 h por dia na proteção dos 22 milhões de km2 que pertencem ao Brasil. Durante a Copa do Mundo de 2014 não foi diferente.

Enquanto as seleções disputavam as partidas da Copa, a nossa Força estava realizando um trabalho invisível, mas essencial para a defesa de um país e de seus visitantes. Para esse trabalho a mais que a FAB faz todos os dias, alguns esquadrões atuaram diretamente nos meses de junho e julho nas regiões dos estádios da Copa. Vamos conhecer agora o trabalho do Esquadrão Pantera, que fica em Santa Maria (RS) . Os H-60 Black Hawk do Pantera atuaram na defesa de todos que torciam nos estádios durante as partidas.  Está preparado?  “Oigalê Fera, PANTERA!”.

CDA: o esporte é motivo de orgulho para FAB e para o Brasil

cdaVocê já ouviu falar da Comissão de Desportos de Aeronáutica? A CDA está localizada na cidade do Rio de Janeiro, no Campo dos Afonsos e oferece estrutura para o treinamento de Futebol, Atletismo, Basquetebol, Judô, Badminton, Taekwondo, Voleibol e Tênis. Essa Organização Militar é extremamente importante para a Força Aérea, pois tem como atribuições planejar, organizar, coordenar e orientar as atividades físico-desportivas dos militares da Aeronáutica. Mas o que isso significa exatamente?

Com fundação no ano de 1971, essa OM basicamente centraliza o sistema de educação física e desportos da FAB sendo responsável por dar todo suporte necessário aos atletas profissionais e em potencial da FAB. A CDA também determina e orienta a aplicação do TACF ao efetivo da FAB e aos candidatos dos nossos concursos. Deu pra entender um pouco da responsabilidade da unidade, não é mesmo?

Cenipa: compromisso com a vida

Laboratório de Destroços permite o treinamento do futuro investigador.

Laboratório de Destroços permite o treinamento do futuro investigador.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, o Cenipa, é a organização da Força Aérea Brasileira responsável por investigar os acidentes aeronáuticos ocorridos no Brasil, com aeronaves civis e militares.

Ele existe desde 1971 como órgão central do Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Sipaer) e tem sede em Brasília, Distrito Federal.

A atividade de investigação de acidentes aeronáuticos é regida pelo Anexo 13 da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) e tem o objetivo de prevenir acidentes. Esta é a diferença entre a investigação realizada pelo Cenipa e a investigação realizada pela autoridade policial: a finalidade.

Confiança e fidelidade: a relação homem e cão no Canil do BINFAE-BE

5

Treinamento de guarda e proteção.

Para um visitante desavisado, a rotina do efetivo do Pelotão de Cães de Guerra do Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial de Belém (BINFAE-BE) pode parecer uma atividade lúdica. O treinamento dos cães para emprego nas missões do batalhão envolve brincadeiras, corrida e outra série de ações que trazem alegria para os militares que lá trabalham, mas todas essas atividades tem um objetivo claro: adestrar e manter os cães prontos para atuar na segurança e defesa das instalações e das tropas.

Base Aérea de Porto Velho: há 30 anos guardiã da amazônia ocidental

agata 7 - 3Mesmo antes do famoso “discurso do Rio Amazonas”, em que  Getúlio Vargas anuncia mudanças na forma de pensar do Governo Federal sobre a Amazônia Ocidental, a Aeronáutica já participava do processo de integração e desenvolvimento das áreas inacessíveis, por meio das rotas do Correio Aéreo Nacional (CAN).

No ano seguinte à criação do Sétimo Comando Aéreo Regional (VII COMAR), em 1983, foram criadas as Bases de Boa Vista, em Roraima, e a de Porto Velho, em Rondônia. O post dessa semana fala das atividades da Base Aérea de Porto Velho. Vamos acompanhar?

BACG, a Força Aérea no coração do Brasil

Foto 8Localizada na região Centro-Oeste, em Mato Grosso do Sul, próxima as fronteiras com o Paraguai e Bolívia, a Base Aérea de Campo Grande (BACG) desempenha papel de grande importância para a Força Aérea Brasileira. Abrigando três Unidades Aéreas e o Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento, o PARA-SAR, transferido para a BACG em 2010, é considerada uma das mais importantes dentro da FAB.

Com um efetivo aproximado de 1.600 integrantes, entre militares e funcionários civis, ainda apoia administrativamente o Destacamento do Controle e Espaço Aéreo de Campo Grande (DTCEA-CG) e a Prefeitura de Aeronáutica, que administra 370 residências. Conheça a seguir um pouco da vida e da história da Sentinela Alada do Pantanal.

III COMAR – Um Comando Aéreo Regional de grandes proporções

36

Feira de Profissões do Colégio Militar do Rio de Janeiro (CMRJ).

“Voar, combater, vencer! Terceiro COMAR, apoio e tradição!” é o grito de guerra do Terceiro Comando Aéreo Regional, organização militar que representa o Comando da Aeronáutica nos Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo.

Com 72 anos de existência, o III COMAR tem a particularidade de reunir em sua área de jurisdição 84 unidades da Força Aérea Brasileira (FAB) e 29,6% do efetivo. É o maior COMAR em termos de quantidade de unidades e efetivo, embora não o seja no que se refere à extensão territorial.

DCTA: a peça-chave do Programa Espacial Brasileiro

fpguetesueciaVocê sabia que o Brasil desenvolve foguetes de diversos tamanhos com bastante frequência? Sabia que, no território nacional, existem dois Centros de Lançamento, que são responsáveis por enviar esses engenhos aeroespaciais para o espaço? E que existem ainda diversas instituições que trabalham incansavelmente para permitir que esses foguetes cheguem ao destino e realizem os seus “voos” com o maior índice de acerto possível?

Se você, leitor do Força Aérea Blog, não sabia de tudo isso, permita-me apresentá-lo ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), organização do Comando da Aeronáutica, localizada em São José dos Campos (SP), que reúne a maioria das instituições responsáveis por executar o Programa Espacial Brasileiro.

Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea: gerenciando para que todos possam voar

Medidas de gerenciamento de fluxo podem ser adotadas em caso de mau tempo interferir no funcionamento dos aeroportos.O aumento do volume do tráfego aéreo no País, aliado à necessidade de ordenar este fluxo, fez com que o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) criasse o Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA).

Implantado desde 2007, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), o órgão tem a missão de manter o equilíbrio entre a capacidade e a demanda nos aeródromos e nos setores de controle de serviço de tráfego aéreo, visando à segurança, economia e fluidez de todas as aeronaves voando dentro do espaço aéreo brasileiro.

Base Aérea de Anápolis: o destino dos caças Gripen da FAB

Aeronaves do Esquadrão Guardião.Você sabia que possuímos uma base aérea estrategicamente instalada no coração do Brasil? E que essa base comporta esquadrões com nobres missões de defesa aérea e reconhecimento?

Base Aérea de Anápolis (BAAN),  esse é o seu nome. Por ser relativamente jovem, possui uma história ainda curta. Vamos conhecê-la de uma forma diferente, começando primeiro pelos dias de hoje?

No dia 05 de abril de 2014 a BAAN completou 42 anos de criação. Atualmente a Unidade dá suporte a duas unidades aéreas: o Primeiro Grupo de Defesa Aérea (1º GDA), que cumpre as missões de defesa aérea da Capital Federal e o Segundo Esquadrão do Sexto Grupo de Aviação (2º/6º GAV, Esquadrão Guardião), o qual auxilia no projeto SIVAM (Sistema de Vigilância da Amazônia), dentre outras missões.

ITA: a formação dos engenheiros na FAB

Formatura do ITA

Formatura do ITA

Para a maioria das pessoas, o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) dispensa apresentações. Esta unidade da Força Aérea Brasileira é conhecida nacionalmente pela excelência no ensino da Engenharia em seis especialidades: Aeronáutica, Eletrônica, Civil-Aeronáutica, Mecânica-Aeronáutica, Computação e Aeroespacial. Além de um ensino de qualidade, os alunos contam com alojamento e alimentação gratuitos durante todo o curso, garantindo a infraestrutura necessária para a dedicação aos estudos, além de receberem um soldo.

Academia da Força Aérea – O Ninho das Águias

Parada(1)Se o seu sonho é ingressar na Força Aérea Brasileira e seguir carreira, este é o lugar! Conhecida como o Ninho das Águias, a Academia da Força Aérea (AFA) é uma instituição de ensino superior do Comando da Aeronáutica e, assim como uma universidade, a AFA oferece cursos nesse nível. Aquele que aqui se forma torna-se oficial de carreira da FAB, podendo chegar ao posto de Tenente-Brigadeiro, no caso dos aviadores.

E se você achava que aqui são formados somente pilotos militares (o termo mais utilizado é Aviador), e que a rotina desses é apenas “aprender a pilotar”, está bastante enganado. Mais uma vez comparando com uma universidade, a AFA oferece diferentes cursos, que são o Curso de Formação de Oficiais Aviadores (CFOAv), Intendentes (CFOInt) e de Infantaria (CFOInf). A missão da Academia, portanto, ganha um ar de nobreza: formar os futuros líderes da Força Aérea Brasileira. E isso é levado muito a sério, afinal, a grande maioria dos oficiais que comandam as unidades da FAB já passaram por aqui, inclusive, o Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito, Comandante da Aeronáutica. Certamente seu sucessor também terá saído daqui.

I COMAR – A Força Aérea Brasileira na Amazônia Oriental

i121130115125173497Você sabia que a Amazônia brasileira tem a extensão da Europa? É nessa região de dimensões continentais que está localizado o complexo de 12 unidades do Primeiro Comando Aéreo Regional (I COMAR), abrangendo os estados do Pará, Maranhão e Amapá, compondo a Amazônia Oriental. É lá que a Força Aérea Brasileira atua em localidades onde somente o avião chega, e foi lá que a frase “Eu sabia que vocês viriam” foi dita, expressando o sentimento dos brasileiros que habitam a nossa floresta ao avistar uma aeronave da FAB.

UNIFA: O Centro de Pós-Formação Militar da Força Aérea Brasileira

10148570_793447737349870_742534535_oVocê sabia que a Força Aérea Brasileira (FAB) possui a única universidade militar na América Latina? E que nesta universidade é ministrado um Curso de Mestrado Profissional em Ciências Aeroespaciais com nota 4 na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)? Conheça no nosso post de hoje, a Universidade da Força Aérea Brasileira (UNIFA).

A UNIFA, localizada no centenário Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro, é o centro de pós-formação militar da Força Aérea Brasileira. É na UNIFA que é realizada a pesquisa e o desenvolvimento da Ciência Aeroespacial brasileira e, além disso, é onde os militares da FAB desenvolvem seus conhecimentos e se capacitam cultural e profissionalmente.