Main menu

Nova Imagem Chegou a vez de falarmos do II Comando Aéreo Regional. Nessa publicação, você vai conhecer uma das histórias mais emblemáticas da Força Aérea Brasileira (FAB) e como essa unidade, tão estratégica, foi capaz de definir o destino da soberania nacional. Imperdível!

 

O que hoje é conhecido como Segundo Comando Aéreo Regional (II COMAR) nasceu, na verdade, como Segunda Zona Aérea, no dia 08 de dezembro de 1941. Foi somente na reforma administrativa de 1973 que a atual nomenclatura começou a ser utilizada.

No contexto de um conflito de dimensões intercontinentais – a II Grande Guerra – surgiu essa Zona Aérea, que se confundiu com a origem da própria FAB. Mas, apesar do pouco tempo de existência, possuía objetivos bem específicos e importantes: proteger e coordenar ações aéreas que envolvessem todo o território sob sua responsabilidade: O Nordeste brasileiro. Simplificando, desde então, é o II COMAR que exerce a representação do Comandante da Aeronáutica nos oito estados nordestinos: Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia.

Nova Imagem (4)

Como se sabe, a Segunda Grande Guerra Mundial foi um dos momentos mais delicados da história contemporânea global. Ela transformou o nosso estratégico território nordestino em alvo da cobiça das principais nações envolvidas no conflito, como os beligerantes oponentes, a Alemanha e os Estados Unidos. Mas qual seria a verdadeira razão disso? A posição geográfica explica. O Nordeste brasileiro era o ponto do continente sul-americano mais próximo dos continentes africano e europeu, tendo, portanto, vital importância para o apoio às linhas marítimas e aéreas que ligavam os continentes.

Nova Imagem (5)

Tendo em vista que os aviões militares e comerciais utilizados à época não tinham autonomia para fazer uma travessia segura pelo hemisfério norte para os teatros de guerra no Sul da Europa, o nordeste brasileiro era visto como rota certa para o sucesso. Nesse cenário, a 2ª Zona Aérea, comandada, no período de 1941 a 1945, pelo Brigadeiro Eduardo Gomes, um dos maiores ícones da Aeronáutica até hoje, teve um papel de destacadas ações em defesa da soberania nacional. Foram criadas várias Bases Aéreas em todo o Nordeste para atender o planejamento de ocupação dos pontos estratégicos dessa região, como as Bases Aéreas de Fortaleza, Recife, Natal e Salvador – todas sob a jurisdição do Brigadeiro Eduardo Gomes.

Nova Imagem (6)

É, nesse sentido, que as Bases da 2ª Zona Aérea, representam um dos elementos de maior importância do envolvimento do Brasil naquela Grande Guerra. Foi o trabalho desenvolvido por elas que permitiu a travessia transatlântica segura das aeronaves e o combate aos submarinos do Eixo, que procuravam debilitar os corredores de suprimentos e de matéria-prima do Brasil para os Estados Unidos. Esse apoio foi tão determinante que a cidade de Natal – RN teve, em sua Base Aérea, um intenso movimento de aeronaves aliadas que aqui pousavam e seguiam com destino à África e ao Sul da Europa. Graças a isso, ficou conhecida como “O Trampolim da Vitória”.

Atualidade

Hoje, o II Comando Aéreo Regional segue com a mesma missão de proteger os céus do Nordeste. Distribuídos entre as Bases Aéreas de Natal, Recife e Salvador, a região é a casa de 06 Esquadrões da Força Aérea Brasileira.

Em Natal, tradicional berço da formação de novos pilotos, estão os caças A-29, do Esquadrão Joker, os helicópteros H-50, do Gavião e os C-95 Bandeirantes, do Rumba. Em Recife, sede desse COMAR, os Esquadrões Carcará e Pastor, comandam o R-95 (de Reconhecimento) e as aeronaves C-95 e C-95A, respectivamente. O Esquadrão Orungan, sediado em Salvador, termina a lista com a aviação de Patrulha.

Além dessas, outras dezenas de unidades do controle do tráfego aéreo, de defesa e de apoio aos militares completam as organizações da Força Aérea que trabalham diariamente pela Região Nordeste. É essa atuação responsável e de qualidade que transforma o II COMAR em uma das mais importantes unidades da Aeronáutica brasileira.

Saiba Mais

Se você é morador de Recife ou está apenas de passagem pela cidade, vale a pena conferir o Museu do II COMAR. As raízes históricas citadas aqui são lembradas e preservadas atualmente pelo Museu. Aberto a visitação de segunda a quinta, das 8h às 12 e de 13h30 às 17h. Às sextas-feiras, das 8h às 12h. Possui visitas guiadas e entrada gratuita. Seu acervo conta com exposições permanentes, além de maquetes de aeronaves, fotografias, documentos de valor histórico, condecorações, distintivos, equipamentos e instrumentos de voo, materiais bélicos, uniformes da FAB, dentre outros objetos. Conheça um pouco mais da história dos obstinados militares que lutaram pela pátria e contribuíram para a consolidação da, então recém-nascida, Força Aérea Brasileira.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Comente pelo Facebook