Main menu

aviacao

A aeronave B-25 Mitchell cumpria a vigilância da rota entre Fortaleza e o arquipélago de Fernando de Noronha quando avistou um submarino. Era realmente o “Barbarigo”, que quatro dias antes havia afundado o navio “Comandante Lyra”. A tripulação comandada por pilotos da Força Aérea Brasileira foi atacada pela artilharia antiaérea do submarino, até que mirou e lançou dez bombas próximas ao alvo. Era o início da virada da Batalha do Atlântico Sul nas costas brasileiras. Emocionante, não? Esta é a história do Dia da Aviação de Patrulha, tema do nosso post de hoje!

 

b-25atac

Na foto acima vemos a corajosa tripulação do B-25: o Comandante da aeronave no momento do ataque, Capitão Aviador Oswaldo Pamplona, e os pilotos Capitão Aviador Parreiras Horta e  Primeiro Tenente Henry B. Schwane, da Força Aérea do Exército dos EUA.

Meses depois do episódio com o “Barbarigo”, seis navios brasileiros foram torpedeados e afundados pelo submarino alemão U-507 e o Brasil declarou guerra à Alemanha Nazista e à Itália em plena Segunda Guerra Mundial. Daí se intensificou a ação da Aviação de Patrulha da Força Aérea Brasileira. Até que em novembro de 1943, não foram mais avistados submarinos alemães no litoral brasileiro.

 subattac

 Olha o “Bingo!” e um submarino afundado pela vigilante patrulha. A aeronave é um A-28 Hudson.

Quer saber mais? Conheça os locais de atuação da Aviação de Patrulha na guerra:

 i1252116570156848

Ainda está curioso? Veja a reportagem sobre a história publicada no site da FAB.

Vocês conhecem os aviões que atuaram no patrulhamento do litoral brasileiro na guerra? Então, vamos ver as aeronaves:

 

B-026

B-25 Mitchell

 CA-10 (28)

 PBY-5 Catalina

 PV-1 VENTURA (1)

 PV-1 Ventura

hudson

A-28 Hudson

Curiosidade…

A próxima aeronave é especial. Os P-16 Tracker chegaram na FAB em 1961, para atuarem no  1° Grupo de Aviação Embarcada, que ficava na Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro. As aeronaves pousaram no porta-aviões Minas Gerais, da Marinha, por 33 anos. O legal do P-16 era a asa dobrável. O avião pousava e as asas eram dobradas enquanto ele taxiava (estacionava….) em um dos hangares.

 

P-16 TRACKER (26) 

 

P-16 TRACKER (102)

O P-16 com a asa dobrada! Legal, não?

Hoje em dia, a Aviação de Patrulha da FAB está presente em Salvador, com o 1º/7º GAV, o Esquadrão Orungan.  Em Florianópolis, temos o 2º/7º GAV, o Esquadrão Phoenix e, em Belém, o 3º/7º GAV, o Esquadrão Netuno. Os “Bandeirulhas” atuam ao lado do P-3AM Orion na defesa da camada do pré-sal e na vigilância dos 22 milhões de km2 de fronteiras do Brasil.

 P-95 BANDEIRULHA (86)

O Bandeirante Patrulha em ação!

 P-3 Orion

P-3 AM Orion, que fica no Esquadrão Orungan

 

No ano passado o nosso P-3AM participou da Operação Atlântico. Assista ao vídeo que mostra  como trabalha a tripulação do P-3 AM em uma missão de guerra antissubmarina durante o exercício operacional.

Mais uma novidade! O Hino da Aviação Embarcada conta a história dos feitos dos nossos herois patrulheiros durante a guerra. Vamos conferir?

 

Hino da Aviação Embarcada

Salve a Patrulha, salve a Patrulha!
O passado distante viu nascer a sua história.
Salve a Patrulha, salve a Patrulha!
Seus feitos marcantes são flagrantes na memória.
Salve a Patrulha, salve a Patrulha!
A Embarcada retrata sua força, sua glória,
Empunhando o tridente mortal, na defesa da Força Naval.
Em vigília constante, protege o mercante [navio mercante] e o nosso litoral.

Atravessa o oceano, buscando o tirano [submarino] escondido no fundo do mar.
Não importa a tormenta, se chove ou se venta, ela tem um caminho a trilhar.
Avante, cardeais [Esquadrão dos Cardeais, de aviões antissubmarino]! Audazes, não recuam jamais.
Quer na paz ou na guerra, operando de terra ou de bordo de porta-aviões
Sua força irradia, de noite ou de dia, enfrentando quaisquer condições.
Da Pátria são zelosos guardiões.
Lutando sem descanso pela paz entre as nações.

Salve a Patrulha, salve a Patrulha!
O passado distante viu nascer a sua história.
Salve a Patrulha, salve a Patrulha!
Seus feitos marcantes são flagrantes na memória.
Salve a Patrulha, salve a Patrulha!
A Embarcada retrata sua força, sua glória,
Empunhando o tridente mortal, na defesa da Força Naval.
Em vigília constante, protege o mercante e o nosso litoral.

Em seu passado foi buscar a tradição,
Dos Anujás [Esquadrão Anujá, de helicópteros antissubmarino] guardou a raça, o coração.
E a Embarcada, com a sua fibra e destemor,
À Força Aérea vai mostrando seu valor.
O cardeal, que é da esquadra o defensor,
Sua tarefa vai cumprindo com amor.
Com galhardia segue firme seu destino
Na busca implacável ao submarino.

Saiba mais sobre a Aviação de Patrulha no livro do piloto Ivo Gastaldoni, “Memórias de um piloto de Patrulha”.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Comente pelo Facebook