Main menu

789 Elas são aviadoras, paraquedistas, intendentes, instrutoras de voo, eletricistas, controladoras de tráfego. Atuam no planejamento, apoio, segurança e defesa, e são presença constante em aeronaves, pistas, hangares, escolas de formação, hospitais e obras. A Força Aérea Brasileira deixou de ser domínio masculino há alguns anos. Pelo contrário, as mulheres chegaram com tudo e mais que duplicaram sua participação na FAB nos últimos 10 anos. Na semana da mulher, o Força Aérea Blog mostra um pouco da participação feminina na Força. Internauta, homem ou mulher, dá só uma olhada nas informações valiosas para mães, filhas, irmãs, sogras e amigas que sonham em vestir a farda azul. Vem com a gente!

 

16103437044_a8440b05d6_oComo são os números que fazem a diferença, comecemos por eles: Atualmente, a Aeronáutica é a Força que possui o maior número de militares do sexo feminino – mais de 10 mil, quase 15% do efetivo. Parece pouco, mas é a velocidade de crescimento o dado mais animador: o número de mulheres na FAB subiu em quase 300% nos últimos 12 anos. Só para ter uma ideia, elas já são 30% do número de alunos da Escola de Especialistas de Aeronáutica. E subindo! Esse número tende a aumentar em consequência da implantação de leis que permitem a atuação do sexo feminino em áreas antes restritas aos homens.

médicaDepois de 30 anos de mulheres nos Quadros da FAB, a conquista de patentes mais altas vieram como sequencia natural. As Coroneis não são novidade já faz tempo e brevemente veremos Oficiais Generais mulheres também. Por hora, as mulheres já assumem o Comando de unidades da Força. A pioneira? A Coronel Médica Carla Lyrio Martins (foto ao lado), que com 25 anos de experiência profissional, assumiu a Casa Gerontológica Brigadeiro Eduardo Gomes (CGABEG).

——–

———–

1º EIA

fabIngresso

As mulheres podem se candidatar a quase todos os concursos da FAB, menos os concursos: Estágio de Instrução e Adaptação de Capelães (EIAC), Curso de Formação de Oficiais de Infantaria (CFOInf), Curso de Formação de Sargentos (CFS-B, nas modalidades do Grupo I e III), Curso de Formação de Taifeiros (CFT-B) e Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR) são restritos a candidatos do sexo masculino. Vale ressaltar também que não há alistamento para pessoas do sexo feminino na Força Aérea Brasileira.

Todas elas passam por um treinamento intenso que pode durar de 13 semanas, no caso das oficiais temporários, até quatro anos, no caso das formadas pela Academia da Força Aérea (AFA). As mulheres, ao lado dos homens, recebem instruções militares que incluem uso de armamento e preparação física, além da formação específica para as áreas onde atuarão, o que inclui unidades de combate.16539656179_04f6931273_oBanda de Música

Os critérios de idade para prestar os concursos variam conforme os quadros. As mulheres que possuem o Ensino Médio completo têm as seguintes opções:

  • Na Academia da Força Aérea (formação em nível superior): podem cursar Aviação ou Intendência O Curso tem duração de 4 anos e, ao formar-se, o Cadete é diplomado Aspirante-a-Oficial da Força Aérea Brasileira e poderá chegar ao generalato.
  • Na Escola de Especialistas de Aeronáutica: podem cursar mais de 20 cursos técnicos (Eletricidade, Eletrônica, Equipamentos de Vôo, Meteorologia, Suprimento, Administração, Informações Aeronáuticas, Cartografia, Desenho, Enfermagem e Eletricidade…). A duração é de 2 anos e forma militares de carreira. Ao receber o diploma o aluno passa a graduação de 3º sargento especialista, podendo, através de seleções internas, ter acesso ao oficialato.
  • No Instituto Tecnológico de Aeronáutica (formação em nível superior): podem cursar qualquer uma das 6 engenharias. A duração varia.

Corpo femininoAs mulheres que têm curso técnico e não completaram 25 anos até a data da matrícula do concurso têm as seguintes opções:

  • Na Escola de Especialistas de Aeronáutica (diversas especialidades – EAGS): fazem imersão na cultura militar por 6 meses.

Para as áreas de nível superior existem duas formas de ingresso: o Quadro de Oficiais de Apoio (QOAP) e o Quadro de Oficiais Convocados (QOCON). O primeiro é um quadro de carreira. A candidata precisa ter no máximo 32 anos. Já o QOCON é um quadro de oficiais temporários que ingressam por meio de análise curricular. Para saber se a sua especialidade estará presente em um dos dois quadros é necessário aguardar a liberação do respectivo edital. Todas as informações a respeito da convocação podem ser obtidas no link qocon.aer.mil.br/index.php

ÁGATA 4 - Hospital de Campanha da FAB ultrapassa os 3 mil atendA seleção envolve avaliação curricular e inspeção de saúde. As candidatas selecionados serão incorporadas no posto de Aspirante-a-Oficial e, caso sejam aprovadas no Estágio de Adaptação Técnico, integrarão o Quadro de Oficiais da Reserva de Segunda Classe Convocados (QOCOn) durante o período de um ano. Caso haja o interesse em permanecer na ativa após o período inicial, o tempo de serviço poderá ser prorrogado anualmente até o tempo máximo de oito anos.

O Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), em Minas Gerais, ainda forma oficiais dos quadros de médicos, dentistas, farmacêuticos e engenheiros. Os cursos CAMAR/CADAR/CAFAR e EAOEAR têm a duração de 13 semanas.

E aí, curtiu? Deixe seu comentário!DIA DA MULHER

Feliz dia das mulheres! Comemore realizando seus sonhos e objetivos: #VemPraFAB

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Comente pelo Facebook