Main menu

36

Feira de Profissões do Colégio Militar do Rio de Janeiro (CMRJ).

“Voar, combater, vencer! Terceiro COMAR, apoio e tradição!” é o grito de guerra do Terceiro Comando Aéreo Regional, organização militar que representa o Comando da Aeronáutica nos Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo.

Com 72 anos de existência, o III COMAR tem a particularidade de reunir em sua área de jurisdição 84 unidades da Força Aérea Brasileira (FAB) e 29,6% do efetivo. É o maior COMAR em termos de quantidade de unidades e efetivo, embora não o seja no que se refere à extensão territorial.

Muitas coisas importantes acontecem nessa área. Nos últimos anos, Chefes de Estado e suas comitivas, delegações de atletas militares e até mesmo o Papa Francisco passaram por organizações militares da FAB, no Rio de Janeiro. Tudo isso aconteceu em grandes eventos sediados na cidade do Rio de Janeiro: Jornada Mundial da Juventude (2013), Copa das Confederações (2013), Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – Rio+ 20 (2012), V Jogos Mundiais Militares (2011), visita do presidente dos Estados Unidos, Barak Obama (2011) e Jogos Pan-Americanos (2007).

Para cada um desses eventos, a FAB montou uma estratégia de atuação que envolveu áreas como defesa aérea e ações de segurança e defesa de superfície. Centenas de militares com diferentes formações trabalharam, antes e durante, para que todas as ações da FAB transcorressem conforme o planejado.

O III COMAR se prepara para, este ano, coordenar as atividades atribuídas à FAB para a Copa do Mundo. E, em 2016, será a vez dos Jogos Olímpicos.

Grandes Comandos

Dois grandes comandos estão sediados no Rio de Janeiro: o Comando-Geral de Apoio (COMGAP) e o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). O COMGAP, localizado na Ilha do Governador, é a Organização do Comando da Aeronáutica (COMAER) que tem por finalidade planejar, gerenciar e controlar as atividades relacionadas com o apoio logístico de Material Aeronáutico, Material Bélico, Engenharia, Transporte de Superfície, Contraincêndio, Patrimônio, Despacho Aduaneiro, Transporte Logístico e Tecnologia da Informação, a fim de atingir os objetivos da FAB.

O DECEA, localizado no Complexo Santos Dumont, na região central do Rio de Janeiro, tem como missão planejar, gerenciar e controlar as atividades relacionadas ao controle do espaço aéreo, à proteção ao voo, ao serviço de busca e salvamento e às telecomunicações do Comando da Aeronáutica. Como órgão central do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB), compete ainda ao DECEA, prover os meios necessários para o gerenciamento e controle do espaço aéreo e o serviço de navegação aérea, de modo seguro e eficiente, conforme estabelecido nas normas nacionais e nos acordos e tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.

Tradições cultivadas

A “tradição” mencionada no grito de guerra do III COMAR está presente no dia a dia de algumas ações que, ano após ano, remontam a acontecimentos que marcaram a história do Brasil.

Dia da Vitória

Todo dia 8 de maio, no Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial (MNMSGM), localizado no Aterro do Flamengo, Marinha, Exército e Força Aérea se unem, sob o comando do Ministério da Defesa, para reverenciar a memória dos mortos em combate. Nessa  cerimônia militar uma série de homenagens são prestadas: aposição de flores no túmulo do Soldado Desconhecido, execução do toque de silêncio e de salva fúnebre de 15 disparos, realizada por uma embarcação da Marinha fundeada na Baía de Guanabara.

Durante a solenidade alusiva ao Dia da Vitória, o Ministério da Defesa promove a imposição da Medalha da Vitória, uma condecoração destinada a agraciar militares das Forças Armadas, das Forças Auxiliares e civis, brasileiros e estrangeiros, que contribuem para a difusão dos feitos da Força Expedicionária Brasileira (FEB) e dos combatentes na Segunda Guerra Mundial.

O Dia da Vitória conta ainda com passagens de aeronaves da FAB. Em 2013, quatro aeronaves F-5 do Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA) emocionaram o público.

Ministro da Defesa realiza entrega da Medalha da Vitória; homenagens aos combatentes mortos na Segunda Guerra.

Ministro da Defesa realiza entrega da Medalha da Vitória (homenagens aos combatentes mortos na Segunda Guerra Mundial).

Desfile da Independência

No dia 7 de setembro, o grupamento da Força Aérea Brasileira, comandado por um Oficial-General, reúne militares das 73 organizações sediadas na cidade do Rio de Janeiro. Juntamente com Marinha, Exército e Forças Auxiliares, a FAB junta-se às entidades civis e a centenas de estudantes para celebrar a Independência do Brasil. O desfile, coordenado pelo III COMAR, conta com as seguintes frações de tropa: grupamentos Feminino, de Especialistas, de Aeronavegantes, do Batalhão de Infantaria de Aeronáutica do Galeão (BINFAE-GL), dos Afonsos (BINFAE-AF) e do Rio de Janeiro (BINFAE-RJ), Companhia de Guarda e Cerimonial do Rio de Janeiro e Banda de Música.

O desfile ocorre na Avenida Presidente Vargas, em frente ao Panteão Duque de Caxias, sede do Exército Brasileiro no Rio de Janeiro, e é acompanhado por milhares de populares.

Grupamento feminino participa do Desfile de 7 de Setembro.

Grupamento feminino em desfile do dia 7 de Setembro.

cães_7 SET (1)

Desfile de cães de guerra no dia 7 de Setembro.

Páscoa dos Militares

A Páscoa dos Militares acontece no período Pascal, isto é, até 50 dias após o domingo de Páscoa.  A tradição de realizar uma cerimônia para comemorar a Páscoa, especificamente entre os militares, começou em 1924, no Rio de Janeiro, e hoje é adotada em várias regiões brasileiras. Assim como a Páscoa do calendário cristão, a Páscoa dos Militares reforça a mensagem de amor e renova a esperança da superação dos desafios.

São realizadas duas celebrações: uma, na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro e outra, na Catedral Presbiteriana, ambas localizadas no Centro do Rio de Janeiro. As celebrações reúnem centenas de militares das Forças Armadas, Forças Auxiliares e Guarda Municipal do Rio de Janeiro, além alunos do Colégio Militar do Rio de Janeiros. Capelães Padres e Pastores, reunidos, co-celebram a missa e o culto, em uma demonstração de harmonia e comunhão de propósitos.

Militares das Forças Armadas e Forças Auxiliares celebram a Páscoa Católica e Evangélica.

Militares das Forças Armadas e Forças Auxiliares celebram a Páscoa Católica e Evangélica.

 

História do III COMAR

A história do III COMAR remonta aos primórdios da própria FAB. A Terceira Zona Aérea (3ª ZA) foi criada em 1941, apenas nove meses após a criação do Ministério da Aeronáutica, e abrangia os estados do Espírito Santo, São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Rio de Janeiro, que era sede da Capital Federal. A 3ª ZA se localizava no Campo dos Afonsos. Ainda nesta década, após reformulações, a área de jurisdição limitou-se aos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro, situação que permanece até os dias atuais.

Na década de 1950, a 3ª ZA foi transferida para o Centro da Cidade do Rio de Janeiro, próximo ao Aeroporto Santos Dumont, e passou a ocupar um belíssimo prédio que pertencia à empresa de aviação civil Panair, uma das companhias aéreas pioneiras do Brasil, onde se encontra atualmente.

Prédio da extinta empresa Panair, atual Sede do III COMAR.

Prédio da extinta empresa Panair, atual Sede do III COMAR.

Em 1973, por determinação do Presidente da República, a Terceira Zona Aérea passou a se chamar Terceiro Comando Aéreo Regional. Atualmente, o III COMAR possui dez organizações militares e um colégio sob sua subordinação. Vamos conhecer um pouco da história e do trabalho dessas unidades?

BAAF

O lendário Campo dos Afonsos, com sua centenária Base Aérea (BAAF), se localiza no bairro de Marechal Hermes. É considerada o berço da aviação militar brasileira, pois, nesta região, em 1912, começou a funcionar a primeira organização aeronáutica do Brasil, o Aéro Club Brasileiro. O local foi pioneiro em diversas atividades de extrema relevância para a história da Aeronáutica Brasileira. Entre os acontecimentos mais importantes, destaca-se o envio dos primeiros aviões empregados em atividades bélicas, na América, com destino à região do Contestado, os quais saíram do Campo dos Afonsos, em 1914. Foi lá onde se criou a primeira Escola de Aviação Militar, em 1919. Nessa época, o Campo dos Afonsos era o maior campo de aviação da América do Sul.

Escola de Aviação Militar, em 1919.

Escola de Aviação Militar, em 1919.

Em 1941, com a criação do Ministério da Aeronáutica, o Ministro Salgado Filho recebeu as primeiras deferências militares a que tinha direito em uma cerimônia realizada no Campo dos Afonsos. O local passou a se chamar Base Aérea dos Afonsos e ficou subordinada à 3ª Zona Aérea.

Ministro Salgado Filho em revista à tropa em 1941.

Ministro Salgado Filho em revista à tropa, em 1941.

Neste mesmo ano, ocorreu a criação da Escola de Aeronáutica, principal centro de formação da oficialidade da Força Aérea Brasileira, que formou várias turmas de Oficiais até o início da década de 1970.

Escola de Aeronautica.

Escola de Aeronáutica.

Em 1952, a Esquadrilha da Fumaça iniciou, no Campo dos Afonsos, suas primeiras demonstrações.

A primeira demonstração oficial da Esquadrilha da Fumaça – 1952.

A primeira demonstração oficial da Esquadrilha da Fumaça – 1952.

Na atualidade, a BAAF está subordinada administrativamente ao Terceiro Comando Aéreo Regional e é a sede das seguintes organizações militares: 3º Esquadrão do 8º Grupo de Aviação (3º/8º GAV), que opera a aeronave H-34 Super Puma; Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial dos Afonsos (BINFAE-AF);  e Destacamento de Controle do Espaço Aéreo dos Afonsos (DTCEA-AF).

BAGL

A Base Aérea do Galeão (BAGL) teve origem em 1923, com a criação do Centro de Aviação Naval do Rio de janeiro. Posteriormente, passou a se chamar Base de Aviação Naval. Nesse período, eram utilizados aviões anfíbios, pois as primeiras aeronaves usadas pela Aviação Naval eram hidroaviões sem capacidade de aterrissagem em pista de terra.

Em 1941, com a criação do Ministério da Aeronáutica, a antiga Base de Aviação Naval passou a denominar-se Base Aérea do Galeão e ficou subordinada à 3ª Zona Aérea. Durante a Segunda Guerra Mundial, a atuação da Unidade foi determinante, pois o transporte aéreo apoiava a Força Expedicionária  Brasileira (FEB), na Itália.

14

15

Hidroavião Catalina.

Com o término da guerra, a BAGL tornou-se um elemento central para o Correio Aéreo Nacional, cuja atividade  foi de extrema importância para a integração do País. Além do transporte aéreo, a Base Aérea do Galeão se firmou como um dos principais locais de embarque e desembarque de inúmeras autoridades nacionais e internacionais, tendo recebido visitantes célebres, como por exemplo, o astronauta russo Iuri Gagarin e o Papa João Paulo II . Mais recentemente, a BAGL recebeu o presidente americano Barack Obama, as delegações presentes na Conferência “Rio + 20″ e o Papa Francisco.

Chegada do Papa Francisco na BAGL para a JMJ.

Chegada do Papa Francisco, na BAGL, para a JMJ.

Rio +20.

Rio +20.

A BAGL conta, ainda,  com cinco unidades aéreas: o 1º Esquadrão do 1º Grupo de Transporte (1º/1º GT,) e o 1º Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT), que operam a aeronave C-130; o 1º Esquadrão do 2º Grupo de Transporte (1º/2º GT), que opera o C-99; o 2º Esquadrão do 2º Grupo de Transporte (2º/2º GT), que operava o KC- 137; e o 3º Esquadrão de Transporte Aéreo (3º ETA), que opera as aeronaves C-95 e C-97. O Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial do Galeão (BINFAE-GL) também está sediado na BAGL.

Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial do Galeão (BINFAE-GL).

Batalhão de Infantaria de Aeronáutica Especial do Galeão (BINFAE-GL).

C-130.

C-130.

C-95.

C-95.

C-97.

C-97.

C-99.

C-99.

BASC

A história da Base Aérea de Santa Cruz (BASC) está ligada ao período colonial brasileiro. Nesta região, estava localizada a Fazenda Imperial de Santa Cruz, local de descanso da Família Real.

24

Na década de 1930, tornou-se famosa por receber os dirigíveis rígidos, mais conhecidos como “Zepellins”. Em 1936, foi inaugurado o primeiro aeródromo dedicado exclusivamente à operação de dirigíveis na América Latina, denominado Aeroporto de Dirigíveis Bartolomeu de Gusmão, em homenagem ao pioneiro da aerostação.

Após a criação do Ministério da Aeronáutica, as terras do aeroporto foram doadas, e, em 1942, foi iniciada a transferência do 1º Regimento de Aviação (1º RAV), do Campo dos Afonsos para o Aeroporto Bartolomeu de Gusmão.  A transferência se iniciou em 24 de outubro, sendo esta a data considerada como a de aniversário da Base, visto que a partir daí o aeródromo passou a ter uso estritamente militar e o local  passou a denominar-se oficialmente de Base Aérea de Santa Cruz. Durante a Segunda Guerra Mundial, uma unidade de dirigíveis da Marinha dos EUA ficou sediada na região, realizando missões de patrulha antissubmarinos e escolta a comboios no Atlântico Sul.

Após a criação do Ministério da Aeronáutica, as terras do aeroporto foram doadas, e, em 1942, foi iniciada a transferência do 1º Regimento de Aviação (1º RAV), do Campo dos Afonsos para o Aeroporto Bartolomeu de Gusmão.  A transferência se iniciou em 24 de outubro, sendo esta a data considerada como a de aniversário da Base, visto que a partir daí o aeródromo passou a ter uso estritamente militar e o local  passou a denominar-se oficialmente de Base Aérea de Santa Cruz. Durante a Segunda Guerra Mundial, uma unidade de dirigíveis da Marinha dos EUA ficou sediada na região, realizando missões de patrulha antissubmarinos e escolta a comboios no Atlântico Sul.

Um dos dos blimps na USN.

Um dos dos blimps na USN.

Atualmente, a BASC possui a aeronave C-98 e as seguintes unidades sediadas: 1º Grupo de Aviação de Caça, que opera o caça supersônico F-5; o 1º Esquadrão do 16º Grupo de Aviação (1°/16°GAV), com aviões de ataque A-1; o 1º Esquadrão do 1º Grupo de Comunicações e Controle (1°/1°GCC); a Prefeitura de Aeronáutica de Santa Cruz (PASC) e o Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Santa Cruz (DTCEA-SC).

F-5.

F-5.

 

C-98.

C-98.

 

A-1.

A-1.

Com um passado de glórias e muitas tradições, a Base Aérea de Santa Cruz, continua sendo, dentro do contexto do Comando da Aeronáutica, um dos maiores complexos aéreos de combate da Força Aérea Brasileira.

30

BINFAE-AF, BINFAE-GL e  BINFAE-RJ

Os Batalhões de Infantaria de Aeronáutica Especial dos Afonsos, do Galeão e do Rio de Janeiro estão capacitados para realizar ações ofensivas, defensivas e especiais de proteção nas suas respectivas áreas. Além de realizar ações de segurança e defesa das unidades da FAB e de pontos sensíveis de interesse da Aeronáutica, os BINFAE realizam, como ações especiais, escolta e segurança de autoridades.

PAAF e PAGL

As Prefeituras de Aeronáutica de Afonsos e do Galeão, têm como missão, administrar os bens móveis e imóveis de suas respectivas guarnições, possibilitando ao efetivo permissionário dos Próprios Nacionais Residenciais a sua habitação. As Prefeituras executam, também, por meio do Nucleo de Serviço Social (NUSESO), as ações de assistência social atinentes ao efetivo de servidores ativos, inativos e pensionistas.

Juntamente com a Prefeitura de Aeronáutica de Santa Cruz (PASC), subordinada à Base Aérea de Santa Cruz (BASC), a PAGL e a PAAF administram, no Rio de Janeiro, 3.333 residências.

Periodicamente, as Prefeituras de Aeronáutica realizam Ações Cívicos-Sociais (ACISO) para as comunidades do entorno, com o intuito de oferecer atendimento de saúde e prestação de serviços.

ACISO da PAAF realizada em 2013.

ACISO da PAAF realizada em 2013.

3º ETA

O Terceiro Esquadrão de Transporte Aéreo, conhecido como Esquadrão Pioneiro, completa no mês de outubro 70 anos. Sua origem remonta ao 1º Grupo de Transporte, unidade aérea sediada no antigo aeroporto do Calabouço, atual Santos Dumont. Com a restruturação do Correio Aéreo Nacional e a criação de um esquadrão de transporte em cada Zona Aérea, nos anos 60, a unidade passou a chamar-se 3º ETA.

Sediado na Base Aérea do Galeão, o 3º ETA realiza missões de assalto aeroterrestre, transporte aerologístico, ligação aérea, infiltração aérea, exfiltração aérea, ressuprimento aéreo, evacuação aeromédica e instrução, além de tarefa de sustentação ao combate, missão de misericórdia, humanitária e de integração nacional.

GAP-RJ

O Grupamento de Apoio do Rio de Janeiro executa as atividades de apoio administrativo, de segurança e de transporte de pessoal voltadas a 23 organizações militares. Até o ano de 2013, esse número era de 8 unidades. O III COMAR é uma das unidades apoiadas pelo GAP-RJ.

CBNB

O Colégio Brigadeiro Newton Braga (CBNB), instituição de Ensino Fundamental, Médio e Técnico, completou no mês de abril 54 anos. Concebido a partir do sonho de Oficiais e Graduados da FAB, o colégio está situado na Ilha do Governador, e possui 1.395 alunos.

Ano após ano, os alunos do CBNB vêm obtendo êxito em competições de âmbito nacional e federal disputadas nas áreas de Astronomia e Astronáutica, Química, Matemática, História e Redação. Só em 2013, o colégio conquistou 20 medalhas e 25 menções honrosas. Para alcançar esse resultado, o colégio conta com uma equipe docente de 138 profissionais, incluindo mestres, doutores e pós-doutores.

O trabalho duro de professores e alunos garantiu a sexta colocação do colégio, entre as escolas públicas, no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) em 2012, e a 86º colocação entre todas as instituições de ensino. A qualidade de ensino do CBNB apontada pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) mostrou resultado superior à média das escolas da cidade do Rio de Janeiro. As atividades do CBNB extrapolam os limites das salas de aula. Uma série de projetos de ensino estudam, na prática, como aplicar os conhecimentos teóricos. Várias dessas iniciativas já participaram de eventos acadêmicos e científicos.

No ano de 2012, o projeto “Coleta do óleo usado: preservar o meio ambiente e adquirir melhores alternativas para saúde”, desenvolvido por estudantes do Ensino Médio, foi apresentado na Feira de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia da Rio+20. O evento reuniu mais de dois mil projetos sobre sustentabilidade.

Estudantes do Ensino Médio do CBNB apresentam projeto no Espaço Ciência Viva, no Rio de Janeiro.

Estudantes do Ensino Médio do CBNB apresentam projeto no Espaço Ciência Viva, no Rio de Janeiro.

III COMAR

Dezenas de setores garantem o funcionamento do III COMAR. Seria inviável, nesta postagem, fazer jus ao trabalho dedicado dos nossos Oficiais, Sargentos e Praças que se esmeram, dia após dia, para que todas as atividades transcorram para o cumprimento da missão da FAB.

Para citar dois exemplos, vamos conhecer o trabalho do Terceiro Serviço Regional de Ensino (SERENS-3) e do Terceiro Serviço Regional de Engenharia (SERENG-3). No ano de 2013, o SERENS-3 realizou a formação de 1.663 militares, entre Oficiais, Graduados, e Praças (Cabos, Soldados e Taifeiros). Esse efetivo foi formado em 9 cursos ministrados de janeiro a dezembro, pela equipe do SERENS, com apoio de instrutores de outras OM.

Além disso, o SERENS-3, no mesmo ano, realizou 13 concursos na área de jurisdição do III COMAR, entre os quais, os certames da Academia da Força Aérea (AFA), do Instituto de Tecnologia da Aeronáutica (ITA) e da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).

Conclusão do Estágio de Adaptação e Saúde (EAS), ministrado pelo SERENS-3.

Conclusão do Estágio de Adaptação e Saúde (EAS), ministrado pelo SERENS-3.

Com um efetivo formado por Oficiais Engenheiros e Arquitetos e Graduados das áreas de  Pavimentação, Obras, Topografia e Desenho, o SERENG-3 elabora projetos, realiza e fiscaliza a execução na área de jurisdição. No ano de 2013, o SERENG-3 concluiu 22 projetos, 55 pareceres técnicos, 53 laudos de avaliação e fiscalizou 11 obras.

Dentre as principais obras em andamento, estão a obra de recuperação parcial da pista de pouso e da pista de taxi “Alfa” da Base Aérea dos Afonsos (BAAF) e a reconstrução de parte do pátio de estacionamento de aeronaves da Base Aérea do Galeão (BAGL). Muitos outros projetos e obras estão sendo realizadas, para dar suporte ao cumprimento das missões das organizações da FAB no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo.

Obra de reconstrução no pátio de aeronaves na BAGL, conduzida pelo SERENG-3.

Obra de reconstrução no pátio de aeronaves na BAGL, conduzida pelo SERENG-3.

Em determinadas ocasiões, como feiras de profissões, solenidades militares e eventos realizados fora do âmbito do III COMAR, a Assessoria de Comunicação Social tem a oportunidade de divulgar a Força Aérea e as missões realizadas pelo III COMAR.

É com grande satisfação e orgulho que mostramos o nosso trabalho e explicamos, aos cidadãos brasileiros, como colaboramos com o nosso País. Os mais jovens têm um grande interesse em saber como podem fazer parte da nossa Força e, para encerrar este post, deixamos imagens da Feira de Profissões do Colégio Militar do Rio de Janeiro (CMRJ), realizada anualmente. Na edição de 2013, os estudantes puderam conhecer os equipamentos da Intendência Operacional, Infantaria, e adentrar a aeronave H-34 Super Puma, grande sucesso da feira.

35

Feira de Profissões do Colégio Militar do Rio de Janeiro (CMRJ).

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Comente pelo Facebook