Main menu

01Com o tema “Construindo o Futuro”, a Força Aérea Brasileira abre o ano de 2015 pensando nos próximos que virão. A nova Campanha Institucional evidencia 17 projetos estratégicos da FAB, ações que farão a diferença na vida dos brasileiros e na defesa dos 22 milhões de km² do espaço aéreo sob sua responsabilidade. Conheça, a partir deste mês, os detalhes desses investimentos, onde estão sendo aplicados os recursos, as metas e os resultados obtidos pela Força Aérea Brasileira.

 

Aqui, no Força Aérea Blog, você conhecerá mensalmente um pouco de cada um desses projetos. São informações, por exemplo, sobre a aquisição de 36 novas aeronaves de caça de múltiplo emprego, o FX-2, que culminou com a compra do caça Gripen NG da empresa sueca SAAB, em 2014. Há ainda a aquisição de equipamentos de artilharia antiaérea, novos helicópteros, aeronaves radar, o novo cargueiro da FAB, o KC-390, satélites, foguetes…02

Abrimos essa série falando sobre um dos projetos que mais representa o poder da cooperação entre os países na área de defesa e o investimento da Força Aérea Brasileira no desenvolvimento e efetivação da indústria nacional. 1-JANEIRO

O Projeto A-DARTER tem o objetivo de desenvolver, em conjunto com a República da África do Sul, um míssil ar-ar, ou seja, criado para ser lançado de aeronaves contra alvos aéreos a curto alcance, de 5ª geração, com guiamento por imageador infravermelho e empuxo vetorado. Para entender melhor, basta saber que o míssil é capaz de manobrar até 10 vezes mais rápido que um avião de combate.

O A-DARTER equipará os caças A-1M, os F-5 e o vencedor do projeto FX-2, o Gripen NG. A intenção é que o míssil atenda aos desafios dos combates aéreos contra caças de última geração em ambientes hostis de contramedidas eletrônicas, bem como, de realizar a transferência de tecnologia deste míssil – como sistemas óticos, navegação, sensores e processamento de imagens – para as indústrias de defesa brasileiras envolvidas no projeto.

Características

Com 2,98 metros de comprimento e 90 kg de peso, o míssil conta com um sensor que detecta o calor de aviões e helicópteros para ser guiado. A diferença tecnológica é que, ao contrário dos modelos mais antigos, um caça equipado com o A-DARTER pode atingir alvos que não estejam só na frente, mas também dos lados e até atrás da aeronave lançadora.

O desenvolvimento do míssil A-DARTER assegura a projeção da Força Aérea Brasileira não apenas como operador, mas, sobretudo, como desenvolvedor de um míssil de última geração de defesa aérea para as aeronaves de superioridade aérea da FAB, capacitando a indústria nacional para o desenvolvimento de sistemas bélicos de alta tecnologia.

Nova Imagem (6)

—————

Confira a íntegra da Campanha Institucional 2015:

—————

10102162315_23da0eb497_o—————

Em fevereiro, falaremos sobre o Projeto H-XBR, empreendimento do Ministério da Defesa que tem por objetivo atualizar a frota de asas rotativas das três Forças Armadas com helicópteros de médio porte modernos e adequados ao cenário Latino Americano. Não perca!

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Comente pelo Facebook